4.jpg
6.png

DIREITO DE REMUNERAÇÃO

Uma solução jurídica
muito necessária

Os autores audiovisuais precisam ser tratados de forma justa pela lei.

 

O estudo Xalabarder é a análise jurídica mais abrangente realizada sobre o tema. Oferece uma solução eficaz, que pode trazer equidade e sustentabilidade ao setor audiovisual.

 

1- A solução legislativa proposta está em conformidade com as obrigações europeias e internacionais de direitos de autor.

 

2 - Beneficiaria todos os envolvidos na produção e exploração audiovisual, garantindo um fluxo constante de remuneração aos autores, diretamente dos usuários.

 

3 - Não prejudicaria a exploração comercial das obras pelo produtor audiovisual, que deteria o controle total da exploração.

 

4 - Assegura o benefício eqüitativo de todos os autores audiovisuais, independentemente do país de origem ou da produção audiovisual.

Image by Tingey Injury Law Firm
 
Image by Florian Wehde

Exemplos de

SOLUÇÕES NACIONAIS

descarga.png

ESPANHA

Desde 1996 a lei prevê, para os autores audiovisuais, uma remuneração por cada forma de exploração da sua obra, sujeita à gestão coletiva.

image_processing20200411-18936-1ktqtfe.p

ÍNDIA

Em 2012, a Índia adotou o direito inalienável à remuneração dos roteiristas, pelo uso de suas obras "em todas as formas", exceto para exibição teatral.

Chile.png

PIMENTA

A lei “Ricardo Larraín”, aprovada no Chile em outubro de 2016, permite que os criadores audiovisuais locais obtenham remuneração para exibição teatral, radiodifusão, disponibilização online e empréstimo público de suas obras. O direito à remuneração é gerido por organizações de gestão coletiva, custeadas pelos licenciados e salvaguardadas do contrato de produção.

 

Autores de obras audiovisuais

Os autores de obras audiovisuais, como roteiristas e diretores audiovisuais, obtêm direitos exclusivos para explorar suas obras. No entanto, eles raramente recebem uma remuneração justa, especialmente para a exploração online.

.

Isso é injusto para os criadores, que são o coração de fazer uma obra audiovisual. Vai contra os princípios básicos dos direitos autorais.

 

Ameaça profissões e meios de subsistência em muitos países. E isso prejudica o desenvolvimento econômico de uma indústria criativa líder.

kal-visuals-5hYX4FAecng-unsplash.jpg
 
kal-visuals-219vOLDyMa0-unsplash.jpg

OS CONTRATOS NÃO ASSEGURAM JUSTA REMUNERAÇÃO PARA AS DIFERENTES EXPLORAÇÕES

O estudo mostra que a remuneração dos autores audiovisuais depende em grande parte dos contratos que celebram com os produtores audiovisuais. Na prática, é isso que os impede de obter uma remuneração justa e equitativa, por diversos motivos:

● Posição fraca para negociar no processo de acordo com os produtores.

     

● Uma presunção legal de transferência de direitos para o produtor.      

● A imprevisibilidade do sucesso da obra no momento da assinatura do contrato de produção.      

● A prática de contratos do tipo “buy-out”, que exigem um único pagamento.

     

● Uma extensa cadeia contratual, com diversos intermediários entre o autor e o usuário final da obra.  

   

● A falta de harmonização entre a legislação europeia e internacional.

 

POUCOS PAÍSES ASSEGURAM REMUNERAÇÃO

Em alguns países, os autores são pagos por meio de acordos de negociação coletiva entre organizações de criadores e produtores ou por gestão coletiva voluntária. No entanto, isso só é bem-sucedido em alguns países, pois requer sindicatos, organizações de gestão coletiva ou sindicatos fortes.

⊲ Canadá e EUA estabeleceram acordos coletivos por meio de sindicatos / guildas, que garantem alguma remuneração pela exploração das obras.

 

⊲ Na UE, Bélgica e França, as receitas de radiodifusão são garantidas com base em acordos coletivos voluntários através de organizações de gestão coletiva.

 

⊲ Na Argentina, os autores audiovisuais são remunerados com base em esforços coletivos voluntários consolidados ao longo do tempo.

Image by Kevin Hendersen
 
Image by Cytonn Photography

MECANISMOS JURÍDICOS PARA GARANTIR UMA REMUNERAÇÃO JUSTA PARA OS CRIADORES

O estudo mostra que a forma mais eficaz de garantir que os autores audiovisuais recebam uma remuneração equitativa é incluir os direitos à remuneração na lei e confiá-los a organizações de gestão coletiva.

19 dos 28 Estados-Membros da UE implementaram sistemas de remuneração para autores audiovisuais, especialmente para remuneração por cabo (gestão coletiva obrigatória pela Diretiva 93/83 / CEE) e cópia privada.

Para os demais tipos de exploração, a remuneração dos autores audiovisuais depende de:

● Direitos de remuneração específicos concedidos pelas leis nacionais de direitos autorais - a Polônia tem uma série de participações, incluindo transmissões e exibições teatrais.      

● A implementação de esquemas estatutários de remuneração geridos exclusivamente por organizações de gestão coletiva (Espanha e Itália).      

 

● O Chile e a Colômbia recentemente incluíram em suas leis nacionais a remuneração por meio da gestão coletiva para vários tipos de exploração, incluindo o uso online.    

 

RECOMENDAÇÃO: Direito inalienável e inalienável à renunciável

Com base na apreciação das leis existentes e das melhores práticas em todo o mundo, o estudo propõe a introdução de uma disposição legal que garanta aos autores audiovisuais o direito inalienável e renunciável de obter uma remuneração equitativa:

 

● Por qualquer ato de exploração de suas obras (offline e online)      

 

● Em troca da transferência de seus direitos de exploração para o produtor.      

 

● Pago diretamente pelos licenciados e administrado por organizações de gestão coletiva.

La firma de un contrato
 
Image by Brock Wegner

O ESTUDO DESTACA A IMPORTÂNCIA DOS SEGUINTES ELEMENTOS:

Uma disposição mencionada na lei.

Remuneração “Eqüitativa”: geralmente uma remuneração proporcional com base na receita pelo serviço.

 

Direito inalienável e irrenunciável: como não é inalienável e irrenunciável, o direito à remuneração tende a ceder ou a ser transferido sob pressão do produtor.

Em troca da transferência dos direitos de exploração para o produtor: na ausência da capacidade do autor audiovisual para negociar os seus direitos exclusivos, o direito à remuneração garante a remuneração pela exploração.

 

Pago por licenciados / distribuidores finais (não produtor): Licenciados / distribuidores finais são os operadores de mídia que disponibilizam as obras ao público. Isso esclarece quem é o responsável pelo pagamento dos autores.

 

Gerenciado por organizações de gestão coletiva: as organizações de gestão coletiva são associações estáveis, com o conhecimento e a perspectiva de economias de escala para garantir uma remuneração justa para os autores, incluindo além fronteiras.