4.jpg
1.png

DIREITO
DE AUTOR

Conceito

O Direito de Autor Audiovisual” é o conjunto de competências reconhecidas por lei às pessoas humanas que criam uma produção audiovisual, que reúne as condições de originalidade para ser considerada uma obra.


O Direito de Autor para o audiovisual é o conjunto de competências reconhecidas por lei aos produtores humanos e não humanos e / ou economicamente responsáveis por uma produção audiovisual que reúna as condições de originalidade para ser considerada uma obra.
A Convenção de Berna aceita ambas as definições, aceitando a regra Lex loci protectionis prevista no artigo 14 bis, deixando a determinação dos proprietários (autor ou produtor), sob a jurisdição das leis locais.

kal-visuals-FtQE89f3EXA-unsplash.jpg
kal-visuals-I-nd-LSCY04-unsplash.jpg

Direitos econômicos de roteiristas e diretores de obras audiovisuais

Em países que reconhecem o Direito de Autor, os criadores humanos de obras audiovisuais souberam encontrar uma forma de receber uma receita sujeita ao destino de sua criação por meio de acordos sindicais com a indústria denominados "Direitos Residuais".


Nos países que aderem ao reconhecimento do “Direito de Autor Audiovisual”, foram as sociedades de gestão coletiva que promoveram a defesa de um direito económico contra o primado do direito local que pressupõe que todos os seus direitos foram transferidos para o produtor, salvo acordo em contrário.


Nesses países, havia duas modalidades:


1) A sociedade gestora incentiva os seus membros a recusarem-se a assinar contratos sem cláusula de reserva que lhes permita a cobrança de “royalties”, direito ou remuneração.
2) A sociedade gestora promove a inclusão no direito da propriedade intelectual do direito inalienável à remuneração.

 

Direitos de compositores e autores musicais

Ao contrário dos criadores audiovisuais, os compositores e autores de música não possuem a presunção de cessão na lei e conservam todos os direitos de exploração, podendo autorizar ou proibir a utilização de suas peças.

A administração desses direitos requer uma organização que gira e controle a utilização das peças musicais, foi assim que as sociedades de gestão coletiva nasceram. 

 

Muitos autores cedem por um montante de dinheiro todos os anos que eles têm por diante para perceber de sua sociedade de gestão coletiva. É o caso das Editoras musicais, que frequentemente compram entre 25% e 100% dos direitos que, em seguida, administram como membro das sociedades de gestão coletiva.

 

Hoje em dia existem empresas interessadas em determinadas peças e oferecem comprar todos os direitos para poder armar um catálogo e administrar essas peças por fora das sociedades de gestão coletiva, permitindo a esta empresa outorgar licenças de direito de autor ou copyright multiterritoriais. Com isso, observa-se uma queda considerável nos custos de licenças atuais que envolvem a participação obrigatória de uma sociedade de gestão coletiva por cada país em que se deseje utilizar.

 

É por isso que, no auge das plataformas de vídeo sob demanda (VoD), que oferecem comprar a totalidade dos direitos musicais (buy-out), agora surpreende a moda de alguns cantores bem-sucedidos de eles venderem sua música.

Image by Marius Masalar
 
Image by Edwin Andrade

Diferentes realidades e conclusões

Como se pode observar com relação às obras audiovisuais, as leis reconhecem direitos ao produtor e, no melhor dos casos, quando reconhecem Autores Audiovisuais (roteiristas e diretores), o fazem com a presunção ou reconhecimento legal de uma cessão de 100% (comprar -out), em favor do produtor.


A saída da aquisição do audiovisual continua a ser a busca do reconhecimento legal de um direito intransferível à remuneração.

 

Organização Mundial de Propriedade Intelectual - WIPO

A Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) é uma agência especializada das Nações Unidas, criada em 1967, que se dedica a promover o uso e a proteção das obras do intelecto humano.

Com sede em Genebra, Suíça, a organização tem 193 estados membros. Seu atual Diretor Geral é Daren Tang, de Cingapura, responsável pela administração de 26 tratados internacionais que tratam de diversos aspectos da regulamentação da Propriedade Intelectual (PI).

 

A OMPI é a sucessora dos órgãos criados no século 19 para administrar a Convenção de Berna para a Proteção de Obras Literárias e Artísticas, de 1886, e a Convenção de Paris para a Proteção da Propriedade Industrial de 1883. Sua missão é levar a iniciativa o desenvolvimento de um sistema de PI internacional equilibrado e eficaz que permita a inovação e a criatividade para o benefício de todos.

 

A organização é um fórum de debate no qual os governos moldam a lei de direitos autorais para se adaptar às necessidades de mudança de nosso ambiente social digital e global. Também administra sistemas de arquivamento internacionais que facilitam a proteção e promoção de invenções, marcas registradas e designs além-fronteiras.

 

Os Estados membros que o compõem aprovam a orientação estratégica e as atividades das reuniões anuais das Assembléias. Cerca de 250 organizações não governamentais (ONGs) e organizações intergovernamentais (IGOs) têm status de observador oficial

Image by Christian Lue
 
Image by Alfons Morales

Convenção de Berna para a Proteção de Obras Literárias e Artísticas

A Convenção de Berna é um tratado internacional que estabelece a proteção dos direitos autorais em obras literárias e artísticas. Seu primeiro texto foi assinado em 9 de setembro de 1886, em Berna (Suíça). Oferece a criadores como autores, músicos, poetas e pintores, entre outros, os meios necessários para controlar quem utiliza as suas obras, como e em que condições.

 

A convenção é baseada em três princípios básicos. Em primeiro lugar, as obras originárias de um dos Estados Contratantes (ou seja, cujo autor seja um nacional desse Estado ou que nele tenham sido publicadas pela primeira vez), podem receber a mesma proteção em cada um dos outros Estados Contratantes.

A segunda delas é que a proteção não deve estar subordinada ao cumprimento de qualquer formalidade. No terceiro ponto, a proteção independe da existência de proteção no país de origem da obra.

 

No entanto, se um Estado Contratante estipular um prazo mais longo do que o mínimo prescrito pela convenção e a obra não for mais protegida no país de origem, a proteção poderá ser negada uma vez que a proteção no país de origem cesse.

 

Por outro lado, o contrato contém uma série de disposições que determinam as condições mínimas de proteção a serem conferidas às obras. Refere-se a todas as produções nos campos literário, científico e artístico, qualquer que seja o modo ou forma de expressão. Os seguintes direitos estão entre aqueles que devem ser reconhecidos como direitos exclusivos de autorização: os direitos de traduzir, fazer adaptações e organizar a obra; realizar obras dramáticas, dramático-musicais e musicais em público; recitar obras literárias em público; comunicar ao público a interpretação dessas obras; para espalhá-los; reproduzi-los em qualquer forma ou forma; usar as obras como base para uma obra audiovisual; e reproduzir, distribuir, apresentar em público ou comunicar essa obra audiovisual ao público.

 

Além disso, o acordo prevê "direitos morais", ou seja, o direito de reclamar a paternidade da obra e de se opor a qualquer deformação, mutilação ou outra modificação da mesma ou a qualquer ataque a ela que cause dano à honra ou à reputação do autor.

 

No que se refere à validade da proteção em obras audiovisuais, a norma prevê que a proteção deve ser concedida, pelo menos, até que expire o período de 50 anos a partir da publicação da referida obra audiovisual.

Adotada em 1886, a Convenção de Berna foi revisada em Paris (1896) e em Berlim (1908), concluída em Berna em 1914 e novamente revisada em Roma (1928), em Bruxelas (1948), em Estocolmo (1967) e em Paris . (1971) e, finalmente, foi emendado em 1979. Todos os Estados podem aderir à Convenção.

Os instrumentos de ratificação ou adesão devem ser depositados junto ao Diretor Geral da WIPO (Organização Mundial de Propriedade Intelectual).

 

Países signatários da Convenção de Berna

BerneConvention