top of page

Paraguai: uma das promessas do audiovisual latino-americano dando seus primeiros passos


Em 2012, o até então desconhecido cinema paraguaio atraiu considerável atenção mundial com o lançamento e o sucesso do thriller "7 Caixas", dirigido por Juan Carlos Maneglia e Tana Schémbori. Premiado no Festival de Cinema de San Sebastián (Espanha) e no Goya, o filme foi adquirido pela multinacional HBO para a adaptação norte-americana.


A esse percurso vertiginoso, deve-se acrescentar que foi um verdadeiro sucesso de bilheteria, superando, no Paraguai, o êxito que "Titanic" ostentava, atingindo quase 170 mil espectadores no primeiro mês, contra quase 150 mil do filme de James Cameron.


Houve também um gosto amargo para este filme, que em outubro de 2012 ficou de fora do anúncio das candidatas ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por não cumprir alguns requisitos, como não ter uma Academia de Cinema paraguaia.


O episódio foi um dos motores para o nascimento, um ano depois, da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas do Paraguai, com o objetivo de impulsionar e promover o cinema do país nacional e internacionalmente.


Mais de uma década se passou desde aquele momento em que o cinema paraguaio chamou a atenção do mundo. Com crescimento contínuo em produções audiovisuais, em 2019, os autores audiovisuais decidiram se organizar e criaram a Creadores PY: uma sociedade de gestão coletiva que visa proteger os direitos autorais e promover atividades de formação para diretores e roteiristas com longas-metragens de ficção, documentários, séries ou telenovelas exibidas e comercializadas.

Por trás dessa associação de diretores e roteiristas estavam os cineastas Juan Carlos Maneglia e Tana Schémbori, representando a primeira vez no território paraguaio uma sociedade de gestão coletiva destinada a proteger os direitos autorais e promover atividades de formação.

7 caixas (2012), dirigido por Juan Carlos Maneglia e Tana Schémbori

Um longo caminho a percorrer

Atualmente, a Creadores PY é presidida por Armando Aquino e tem Claudia Zárate como secretária-tesoureira, contando com cerca de 25 associados. Zárate destaca que o número está crescendo, mas ainda existe "desconhecimento" e "certa desconfiança" sobre a utilidade da associação.


Em termos organizacionais, com a criação da Academia de Cinema paraguaia e da associação de diretores e roteiristas, o cinema desta região deu um salto qualitativo, mas ainda enfrenta as dificuldades próprias de uma indústria ainda muito pequena. A produção anual de longas-metragens ainda é limitada, e a principal dificuldade está na falta de apoio financeiro para realizar as produções.


Zarate, que foi um dos representantes do Paraguai na Assembleia Anual da FESAAL 2023, realizada em Santiago, Chile, entende que "o dinheiro é o principal problema, senão estaríamos fazendo muitos mais filmes" e que, para a Creadores PY continuar crescendo e se consolidando, é necessário "uma evangelização, que as pessoas conheçam seus direitos e se interessem em fazer parte, porque o que vai movimentar isso é a maioria, ter mais participantes. Devemos ir de casa em casa explicando sobre seus direitos, para estarmos unidos na luta e alcançarmos nosso objetivo."

Conselho de administração da CREADORES PY

Em relação ao Instituto Nacional do Audiovisual do Paraguai (INAP), embora sua existência resolva administrativamente algumas situações, suas ações ainda não conseguem satisfazer as necessidades dos autores audiovisuais.


Quando se trata de apresentar projetos, são-nos exigidos muitos requisitos mas infelizmente são muito poucos os que beneficiam desse dinheiro e o que dão não é muito pelo que custa fazer um filme. Não há tantas produções porque falta esse apoio.”


Ainda no Paraguai, os cineastas têm muito a conquistar em termos de direitos autorais onde os direitos da obra são detidos pelo produtor, a menos que seja celebrado um contrato privado entre produtor e diretor, que permita ao diretor obter também alguma porcentagem do lucro.


Isso se aplica às produções maiores que contam com a figura do produtor, já que nas menores geralmente os diretores, roteiristas ou atores também cumprem o papel de produtores.


Exemplo disso é o que Claudia Zárate enfrentou ao realizar “Póra”, seu primeiro longa-metragem, atualmente disponível na Amazon. “Poucos podem imaginar como lutamos para fazer um filme. No meu caso não era que eu quisesse interpretar muitos papéis, mas não tinha outra opção se quisesse colocar o meu filme no cinema. Se eu tivesse recursos teria pago isso, aquilo ou aquilo e não teria que fazer tantas funções que iam desde procurar as empanadas para o catering que havia trocado, atuar como técnico de iluminação, dirigir e até perguntar ao meu irmão para um empréstimo para comprar o que é necessário para fazer um filme.”

Claudia Zárate, cineasta paraguaia e secretária-tesoureira de CREADORES PY, ao lado do pôster de seu último filme, Póra


Apesar desse contexto adverso, seu filme participou de diversos festivais ao redor do mundo e ocupa espaço na plataforma Amazon. “Acho que o cinema paraguaio ainda sofre muito por falta de recursos econômicos. O principal problema aqui é o dinheiro e a falta de apoio estatal. Na Amazon estamos ao lado de filmes com orçamento de 5 milhões de dólares e com “Póra” mal gastamos 30 milhões de guaranis (2.500 dólares).”


Claudia Zárate é uma das poucas diretoras de seu país, já que segundo estatísticas do INAP, apenas 18% dos diretores de cinema no Paraguai são mulheres. “Em 2022, o Instituto lançou a primeira chamada para promover o cinema com categoria específica para projetos dirigidos por mulheres. Nos últimos dois anos há mais oficinas e exposições que apoiam projetos feitos por mulheres”, afirma.


Embora o setor audiovisual no Paraguai tenha um longo caminho a percorrer, os autores audiovisuais lutam para conquistar seu lugar através de muito trabalho e muitos estão conscientes de que unir-se em defesa de seus direitos é uma tarefa fundamental nesse sentido.

Comentarios


bottom of page